No dia 20 de fevereiro foi comemorado o Dia Mundial da Justiça Social. A data foi estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU), com o intuito de promover esforços para enfrentar questões sociais. Ao identificar a ausência dos serviços de saneamento básico como um indicador relacionado à justiça social, o Instituto Trata Brasil entrevistou a Dra. Luiza Eluf, Promotora de Justiça e embaixador do Instituto Trata Brasil, para falar sobre a relação das atitudes da população e órgãos públicos com a justiça social.

Entrevista – Luiza Eluf

Luiza Nagib Eluf

Qual a sua percepção do saneamento básico no Brasil?

Minha percepção é que está faltando saneamento básico, e que isso é uma irresponsabilidade total dos governantes, desde prefeito, governadores, presidente da república, deputados, senadores, vereadores, todos aquele que ocupam cargos públicos são responsáveis pelo déficit de saneamento que nós temos no nosso país, e isso precisa ser corrigido com muita rapidez. E a solução é o tratamento da água, é impedir que sequem as nascentes, nós não podemos permanecer de olhos fechados, para o que acontece por exemplo na cidade de São Paulo, e que qualquer empreendedor por aí compra um terreno, não importa se tem 10 nascentes de água naquele terreno, eles concretam todas as nascentes para fazer empreendimentos e vendas visando o lucro, e não pode ser assim, porque não só de dinheiro vive o ser humano, e principalmente nós precisamos de saúde, e a saúde só vem com saneamento básico. Eu acho uma vergonha o Rio de Janeiro, que é o cartão postal do Brasil, ter uma Baía da Guanabara completamente infectada, é nojenta a Baía da Guanabara. Eu não quero mais ver isso.

Como a falta de saneamento básico no Brasil reflete e acentua a desigualdade social?

As pessoas ficam doentes devido à água não tratada, elas bebem aquela água suja e adoecem. Ao ficarem doentes, as pessoas vão para o hospital público, só que os hospitais estão lotados, pois não cabe mais doentes, então em vez de resolver o problema do saneamento básico, o governo diz que construirá mais hospitais. Não são necessários mais hospitais, mas sim menos doenças, e, para isso precisamos de governantes mais conscientes, que invistam em saneamento básico. Os governantes atuais falam que não investem em saneamento básico pois é uma obra enterrada, mas na verdade é porque ninguém vê, e se ninguém vê, o político não ganha voto. Precisam parar com esse atraso mental. Não é mais possível conviver com isso, eu sou extremamente revoltada com a falta de visão de saúde que temos no Brasil, em especial com a saúde da água.

Dia mundial da justiça social: qual a importância da data para o acesso ao saneamento?

 A Justiça Social é uma ideia muito ampla, um conceito muito amplo que abrange vários aspectos da vida e das pessoas em sociedade. Justiça social é todos terem direito ao que é básico para o ser humano. Todos temos que ter direito à moradia, a educação e principalmente não podemos deixar as pessoas sem água, tudo isso é justiça social. Tudo o que os governantes fazem devem ser em prol da sociedade, sempre. Justiça social não é que todo mundo vai ser igual, ninguém é igual a ninguém, mas todos temos que ter o direito ao básico, o básico não pode faltar.

Qual a importância da sua parceria com o Trata?

Eu tenho muita simpatia pelo Trata Brasil, pois ele luta por algo que é essencial para toda a população, desde os mais ricos até os mais pobres, todos precisam de água limpa, e o Trata assim, como eu, busca isso.

Para saber mais sobre nossos embaixadores, acesse:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Justiça social – O básico não pode faltar

Tempo para ler: 3 min
0