Photo by Anh Vy on Unsplash

No dia 7 de abril é comemorado o Dia Mundial da Saúde. O objetivo principal desse dia é conscientizar as pessoas sobre a importância de preservar a saúde para melhorar qualidade de vida. Dentre os diversos problemas que impedem a maioria dos brasileiros de terem qualidade de vida está a precariedade dos serviços saneamento básico.

A falta de tratamento de água e esgoto e principalmente o descarte incorreto desses resíduos está diretamente ligado as várias doenças e problemas toxicológicos que afetam a saúde da população.

Para entender um pouco melhor sobre o assunto, entrevistamos o
embaixador do Instituto Trata Brasil, professor, diretor do Instituto da Criança, do Hospital das Clínicas da FM-USP e do Instituto Brasileiro de Estudos Toxicológicos e Farmacológicos, Dr. Anthony Wong.

Confira!

Entrevista com Dr. Anthony Wong sobre os perigos do esgoto para a saúde

Dr. Anthony Wong

– A saúde é um direito ou um privilégio? Por quê?

Na realidade, a saúde é um privilégio que nos foi concedido. Agora, quando nascemos, a saúde torna-se um direito nosso por estarmos vivos. Cada um de nós nascemos com uma vida saudável, mas ao longo da mesma vamos acumulando substâncias que nos fazem mal, como doenças, comidas malconservadas, inseticidas e a maior de todas, a poluição, principal causa de doenças e mortes.

– Qual a relação do esgoto à céu aberto com os problemas toxicológicos?

A falta de saneamento básico é uma das causas principais de atraso de uma população. Todos os países de primeiro mundo e mesmo de segundo mundo que apresentam riquezas e focam no bem-estar de seus cidadãos tem pelo menos um programa bastante consistente de saneamento básico.

Todos os países que são ricos em minérios e recursos naturais que não tem saneamento básico estão no terceiro, quarto ou quinto mundo, são exemplo disso os países da África, Ásia e até da América Latina.

O saneamento básico é essencial para o bem-estar e desenvolvimento de uma população. Quando esse esgoto ou qualquer detrito é jogado a céu aberto, tudo pode acontecer e realmente acontece.

Em primeiro lugar é um atrativo para insetos que são veículos de doença. Segundo, as substâncias ao decompor exalam toxidades que respiramos e podemos adquirir através dos ventos e chuvas e acabam contaminando nossas vidas.

E terceiro lugar, muitos dos detritos largados são substâncias químicas, muitas vezes tóxicas e quando estão ao céu aberto acabam-se evacuando e por consequência as pessoas adquirem através da pele ou respiração gerando danos. Então, temos dois problemas, um é a infecção causada por insetos e também bactérias ou outros organismos no ar, e o outro são as substâncias químicas e tóxicas que são bem piores, pois seus efeitos nocivos são duradouros.

– Esses problemas estão concentrados em regiões mais carentes? Por quê?

Há duas vertentes, uma são que as regiões mais carentes que não têm dinheiro para investir no bem-estar da população, a prioridade deles é dar comida e as coisas básicas do que investir em algo tão mais complexo como saneamento básico.

Por outro lado, a falta de programas de eliminação de rejeitos, de coleta de lixo e tratamento do mesmo faz com que a população fique mais doente, produzindo menos e ficando sem dinheiro pra investir na saúde.

Resumindo, por ter baixa renda não se investe em saneamento básico, fazendo com que fiquem mais doentes e, portanto, mais pobres e cada vez com menos investimentos na saúde, gerando um efeito dominó sem solução.

– O que os órgãos governamentais de saúde podem fazer para solucionar ou amenizar esses problemas?

Está tudo muito claro o que eles têm que fazer, não precisa procurar, só falta a vontade política de executar essas ações. É uma visão extremamente bitolada por parte do governo de dizer que saneamento básico não é importante, muito pelo contrário, o saneamento básico é uma das três principais razões de qualquer governo, e saúde não está entre as mesmas. A primeira é segurança, a segunda distribuição de riqueza e a terceira saneamento básico, saúde é decorrente da falta desses três.

– Como as futuras gerações podem lidar com esses problemas de saúde ligados à problemas ambientais?

É uma pergunta que não deveria existir, pois as futuras gerações não deveriam lidar com problemas, eles só vão sofrer as consequências se essa geração não cuidar do saneamento básico. Se nós postergarmos as nossas políticas, as futuras gerações vão pagar um preço muito alto devido ao descaso dessa geração em razão a poluição e a falta de saneamento básico.

Por esse motivo essa pergunta é extremamente injusta, eles não devem pagar o preço da nossa omissão e da nossa irresponsabilidade. Para preservar nossas futuras gerações, nós devemos executar os princípios e políticas de saneamento básico de preservação do meio ambiente, porque só com isso teremos um planeta habitável para os próximos séculos.

Quer saber mais sobre esgoto?

“A sociedade civil precisa estar alerta que o problema toxicológico causado pela falta de coleta e tratamento de esgoto não está restrita apenas às comunidades carentes. Basta um vento mais forte ou uma chuva para carregar as substâncias tóxicas para muito mais longe, contaminando e condenando, em porções homeopáticas, toda a sociedade. Tais substâncias, despejadas diariamente em nossos rios pelos esgotos, são um verdadeiro inimigo invisível. A sociedade deve se unir e cobrar de seus governantes um olhar mais atento e investimentos prioritários na coleta e tratamento de esgoto devem ser feitos para garantir qualidade de vida à nossa população e, principalmente, às nossas futuras gerações. “

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Impactos do esgoto para a saúde da população

Tempo para ler: 4 min
0