“…Chegando lá, eu me deparei com terreno vazio, entrei e foi ali que eu vi uma luz, nessa luz enxerguei algo muito grande para minha vida…”

É o que relata Anderson Fernandes, líder comunitário da comunidade Anchieta-Grajaú, localizada em São Paulo.

Era 2013. Anderson estava morando na casa do pai. Sem condições para pagar aluguel, desempregado e com família para cuidar, pensava desesperadamente em uma solução para resolver esse problema.

“No dia 13 de julho de 2013, surgiu a oportunidade de participar de uma invasão em um terreno no Grajaú. Chegando lá, eu me deparei com terreno vazio, entrei e foi ali que eu vi uma luz, nessa luz enxerguei algo muito grande para minha vida. Cheguei, marquei meu espaço e comecei a fazer o meu barraco com a ajuda da família, de amigos e desconhecidos”.

Naquele mesmo ano, Anderson, mais conhecido como “Pé”, começou a se comunicar com as lideranças que cuidavam da comunidade e vendo como eles lidavam com os moradores decidiu mudar.

“Na época tinha uma liderança seguindo de uma forma que não era bem correta, eles só queriam arrancar dinheiro do povo. Por isso, nós formamos uma equipe e montamos uma Associação, passamos a ser jurídico. Nós lutamos para conquistar os direitos de uma vida de qualidade, principalmente para que as famílias não permaneçam nessa situação de precariedade”.

A comunidade Anchieta Grajaú abriga mais de 900 famílias, ela, assim como outras milhares que estão espalhadas em todo país, e sofre grandes problemas de infraestrutura, não tem água, não tem luz, não tem asfalto, não tem qualidade de vida.

“A nossa comunidade se encontra muito fragilizada, devido à situação de esgoto ao céu aberto, devido às ruas esburacadas, não tem uma pavimentação, não tem saneamento básico, não tem luz elétrica e etc. A gente quer ter algo melhor para nós, transformar a comunidade e ter dignidade igual as demais que estão ao entorno da nossa, como Jardim Lucélia, Cocaia, Cantinho do Céu, Jardim Eliana. Queremos ter uma comunidade igual a essas, comunidade pavimentada, regularizada, enfim, uma comunidade digna”.

É fato que muitas dessas áreas irregulares são impedidas de receber os serviços, restringindo as empresas prestadoras de saneamento básico de atuarem levando o básico para a população. Anderson fica entristecido ao contar os problemas que ele detectou na comunidade e fala sobre um dos acidentes que aconteceram.

“Os maiores problemas que eu detectei na minha comunidade seriam a falta de saneamento básico, a energia e a pavimentação. A energia, sem condições nenhuma de comportar nos barraquinhos de madeira, por correr um grande risco de pegar fogo. Além disso, a pavimentação que não tem, toda esburacada; é barro puro e quando chove vira aquele caos dentro da comunidade, carros atolados e etc, já teve vários acidentes aqui, de carro escorregar na lama e bater no barraquinho, e o risco de atingir uma família é muito grande”.

Nenhum dos problemas da comunidade foram resolvidos, Anderson espera que a solução venha em 2019. “Se Deus quiser” . E os políticos também.

“Primeiramente, Deus a gente tem que pôr na frente, segundo que essa crise política acabe, que essa política habitacional tenha um olhar para a população brasileira e que o sistema de leis habitacionais seja implantado, primeiramente nas comunidades informais e que a legislação acate o que está na lei e está na Constituição Federal,  que o ser humano tem que ter uma moradia digna. Não enxerga o que os direitos humanos enxerga por nós, ela não enxerga. Então, daqui a 10 anos espero que mude tudo isso!”.

O Censo Demográfico do IBGE, realizado em 2010, mostrou que no Brasil existiam 6.329 assentamentos irregulares perfazendo mais de 3 milhões de domicílios e 11,4 milhões de pessoas. A carência do saneamento básico atinge a todos, mas é certo que os maiores impactos estão nas famílias de baixa de renda, muitas delas residentes em locais denominados “aglomerados subnormais”, ou simplesmente áreas irregulares.

 

1 Resultado

  1. Gilvan disse:

    Conheço a luta do Anderson, sempre foi um ótimo exemplo , uma pessoa que faz da luta pelo próximo um espaço um estilo de vida.
    Muito orgulho de você camarada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vida nas áreas Irregulares: a luta de quem almeja por mudanças

Tempo para ler: 3 min
1