Foto: Jornal Bastidores da Notícia

O Ranking de Saneamento nos 100 maiores municípios do Brasil foi divulgado pelo Instituto Trata Brasil em parceria com a GO Associados neste ano de 2018, tendo como base o SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento) 2016.

Infelizmente alguns municípios ainda possuem taxas mínimas de serviços de esgoto, como por exemplo, Porto Velho (RO), que permanece na última posição do ranking com 3,39% na coleta e tratamento de esgoto. No que se refere a água o município trata apenas 33,05% indicando um dos menores índices.

A comparação entre as melhores e piores cidades confirma a desigualdade e as dificuldades para avançar em muitos municípios. Mesmo considerando que em termos populacionais as 20 piores cidades tenham quase 2,5 milhões de pessoas a mais (13.106 milhões x 10.591 milhões nas 20 melhores), os indicadores médios mostram uma grande disparidade no acesso aos serviços.

Édison Carlos, presidente executivo do Instituto Trata Brasil, chama atenção para a diferença nos níveis de atendimento e investimentos em saneamento, justamente a partir da diferença entre melhores e piores.

“Uma preocupação que temos apontado há alguns anos é que as melhores cidades seguem avançando e nelas acontece a concentração dos maiores investimentos. O natural seria que as piores cidades estivessem investindo mais, então esse fenômeno separa ainda mais o Brasil em poucas cidades caminhando para a universalização e muitas paralisadas. Preocupa também a queda nos investimentos públicos para saneamento básico, à medida que Governo Federal, estados e municípios sofrem com problemas fiscais.”. 

Em relação aos investimentos, Porto Velho está entre os 10 municípios que menos investiram x arrecadação, com Porto Velho (RO) 6,10%.

Diferente dos piores índices, as cidades com maiores colocações na tabela contam uma boa gestão e constantes melhorias nos sistemas que compõem o abastecimento de água e coleta e tratamento de esgoto. Os resultados são a melhoria da qualidade de vida em vários aspectos, a valorização do turismo e da economia e desenvolvimento para as cidades.

A população precisa se conscientizar de que possuir rede de esgoto e serviços adequados é essencial para a vida, pois assegura que mais brasileiros não precisem ser afetados por esse verdadeiro inimigo silencioso que é o saneamento inadequado.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Porto Velho está entre as 10 piores cidades no Ranking do Saneamento 2018

Tempo para ler: 2 min
0