No diagnóstico do Ranking do Saneamento divulgado este ano pelo Instituto Trata Brasil em parceria com a GO Associados, possui dados da evolução das principais capitais do país, o estudo aborda dados dos 100 maiores municípios.

Para falar da evolução dentro de 5 anos (2012 a 2016), dividimos o diagnóstico em setores como: atendimento de água. coleta de esgotos, indicadores de tratamento e  a evolução dos investimentos.

Confira a evolução dos indicadores das capitais no Ranking

Atendimento Água

As capitais apresentaram, na média, uma retração no atendimento de água de -1,62 p.p. Esta  retração pode ocorrer pois, na prática, é difícil um município obter e manter 100% de atendimento, assim os municípios próximos da universalização, tendem a apresentar pequenas variações negativas.

Das capitais brasileiras, quatro aumentaram seus níveis de atendimento em
água em mais de 5 p.p., entre 2012 e 2016. Por sua vez, 11 capitais tiveram uma redução no atendimento; nesse sentido, Rio Branco – AC apresentou uma redução de quase 34 p.p.

Coleta de Esgotos

A evolução média da coleta de esgoto para a amostra foi de 5,07 p.p. Das capitais brasileiras, 13 aumentaram seus níveis de coleta de esgoto em mais de 5 p.p. e quatro apresentaram uma redução do atendimento de esgoto entre 2012 e 2016.

Indicadores de tratamento

As capitais avançaram, em média, 7,79 p.p no quesito de tratamento de esgoto. Das capitais brasileiras, sete aumentaram seus níveis de tratamento em mais de 10 p.p., entre 2012 e 2016. O Quadro 48 mostra as capitais e suas respectivas variações nos índices de tratamento de esgoto

No incremento em tratamento de esgoto, destacam-se os municípios de Porto Alegre – RS, que no prazo de cinco anos aumentou 37,71 p.p mais que dobrando os indicadores de tratamento, Cuiabá – MT (aumento de 30,90 p.p.) e Vitória – ES (21,01 p.p).

Evolução dos investimentos

Entre 2012 e 2016 foram investidos R$ 22,20 bilhões em valores absolutos nas
capitais, sendo que São Paulo – SP foi a cidade com o maior investimento total (R$ 9,11 bilhões, mais de 40% do total), seguido de Rio de Janeiro – RJ (R$ 1,92 bilhão) e Recife – PE (R$ 1,39 bilhão).

É também elucidativo observar o investimento médio anual por habitante. Nesse sentido, Boa Vista – RR foi a capital que, em média, mais investiu por habitante/ano, com R$ 234,47 investidos por habitante. O segundo município que mais investiu por habitante foi Cuiabá – MT com R$ 199,09 investidos, seguido por Palmas – TO, com R$ 197,74 e Vitória – ES, com R$ 190,20.

Confira os índices sobre as principais capitais do Brasil.

3 Resultados

  1. Arnaldo Boa Sorte de OIiveira disse:

    Mesmo em cidades como São Paulo, com relativamente alto índice de coleta, a péssima qualidade das redes coletoras assentadas nas regiões periféricas, impõe à população a convivência diária com os extravasamentos de esgotos. Deveremos além de avaliar quantitativamente a situação do saneamento, deveríamos também avaliar qualitativamente o sistema de coleta através do indicador IWA wOp-34 que avalia a quantidade de obstruções de rede a cada 100 km por ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Evolução dos índices das principais capitais no Ranking do Saneamento

Tempo para ler: 2 min
3